;

NOTÍCIAS

In:

Acusado de matar a ex-esposa e o tio dela é condenado a 31 anos de prisão

Por Redação com TJ AL
Cláudio Santos Júnior foi condenado por duplo homicídio qualificado. Foto: Caio Loureiro

Cláudio Santos Júnior foi condenado por duplo homicídio qualificado. Foto: Caio Loureiro

O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri de Santana do Ipanema condenou, nesta quinta-feira (1º), Cláudio Santos Júnior a 31 anos, um mês e 15 dias de prisão por duplo homicídio qualificado. Em janeiro deste ano, o réu assassinou a ex-esposa, Maria Eliane da Conceição, por ciúmes e o tio dela, Manoel Juarez dos Santos, que tentou impedir o crime.

O julgamento foi conduzido pelo juiz Diego Araújo Dantas, titular da 3ª Vara da Comarca, que aplicou, de acordo com a decisão dos jurados, a pena de 19 anos e três meses pelo homicídio de Maria Eliane e de 11 anos, 10 meses e 15 dias pelo assassinato de Manoel Juarez. Na oportunidade, o magistrado lamentou mais um caso de violência doméstica.

“O crime causou repercussão aqui no município por se tratar de mais um caso emblemático de violência doméstica em que o réu é acusado de ceifar a vida de sua ex-companheira por ciúmes. Infelizmente, a maioria das nossas ações penais dizem respeito a ameaças ou lesões corporais em face de crimes cometidos à Lei Maria da Penha, praticados no âmbito da convivência familiar e isso é uma triste realidade”, afirmou.

Durante o julgamento, Cláudio Santos alegou que, no dia do crime, Maria Eliane teria confessado que estava em um motel com um colega de trabalho dele. Disse que queria apenas saber quem era o homem com quem ela estava saindo, que atirou no tio da vítima porque se sentiu intimidado e que quando ela tentou fugir dele a arma disparou. Cláudio Júnior disse também que estava andando armado devido a uma desavença que tinha com um traficante da cidade.

De acordo com o Ministério Público (MP/AL), a relação do réu com a vítima era conturbada e após cerca de dez anos juntos, Maria Eliane decidiu se separar de Cláudio, com o qual tinha dois filhos. Inconformado com o fim do casamento, o réu passou a ameaçá-la de morte. Ainda segundo a acusação, apesar do ciúme de Cláudio, ele a traía sempre com outras mulheres.

Para o promotor Luiz Tenório, a versão do réu tinha como objetivo enganar os jurados quanto aos fatos no dia do crime. “[O réu] imputa à vítima uma conduta adúltera. Ele falou em traição dela, mas no depoimento anterior disse que o relacionamento tinha acabado porque Maria Eliane saiu de casa porque descobriu que ele estava tendo um relacionamento extraconjugal”, afirmou o promotor.

Leni Rosa da Conceição, mãe da vítima Maria Eliane. Foto : Caio  Loureiro

Leni Rosa da Conceição, mãe da vítima Maria Eliane. Foto : Caio Loureiro

Compartilhe:
Tags: ,,

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *