;

NOTÍCIAS

In:

M a r i b o n d o

Por Laurentino Veiga

Título do livro da Professora-educadora Sebastiana Fernandes de Amorim, Bastinha, que, por sua vez, chegou às minhas mãos por intermédio do saudoso jornalista-escritor Jose Jurandir – JJ – que marcou a história da comunicação alagoana. Na Cidade Maravilhosa pontificou no jornal do famoso advogado  Tenório Cavalcante. Aqui no extinto Jornal de Alagoas criado pelo pernambucano Luiz Magalhães da Silveira que, em 1934, criara o semanário Gazeta de Alagoas que em 1952 fora adquirido por Arnon de Mello.

A autora, por sua vez, registrou com fotos a história do CSA ( Soareste); Cícero Rafael; seu genitor Manoel Fernandes da Silva, Fórum Dr. Cleto Marques Luz; Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Padroeira da cidade; Igreja de Maribondo; Geraldo Araújo ( Mocinho); Cleovan Florentino de Almeida; José Augusto Carnaúba; Roberto Sapucaia dos Santos; João Izidro de Lima; Eurico Juvi de Almeida; Angelita Fernandes Costa; Manoel Antonio de Santana; José Zeferino do Carmo; Anibal Costa Dias; prédio da Agência da Caixa Econômica de Alagoas; Igreja Batista; Iraci Tenório Lins; Centro Administrativo Municipal; prédio da Câmara Municipal; Brasão do Município; logradouros públicos; Escola Planet Computer; Educandário Coração de Jesus; Escola de Educação Chapeuzinho  Vermelho; Escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e dezenas de outras atividades fixadas no município como um todo.

JJ como era conhecido, ex-vereador por diversas legislaturas,  no seu poema Versos Maribondenses fez justiça à terra que o acolheu de braços abertos feito o Cristo Redentor do Rio de Janeiro.A bem da verdade denominou Minha Terra nos seus versos imorredouros.

“ Tu tens um solo tão fértil,/ Aspectos mui palpitantes,/ Belas matas verdejantes,/ Correntezas cor de anil,/ Montes com bonitas pedras,/ Picos altos e aguçados./ Jamais por alguém calcado,/ Oh Solo Primaveril!/ Terra de águas tão doces,/ De muitas frutas gostosas,/ De altas árvores frondosas,/ De bonitas capineiras./ De fazendas, de engenhos,/ De vastos canaviais,/ Imenso algodoais/ E de paisagens fagueiras./ Saudades do meu avô,/ Da casa grande, o curral,/ Do açude, o arraial,/ Nas noites de São João. Do pontilhão de madeira,/ Do cinema, a escolhinha,/ Das festas, da Igrejinha,/Luz do motor a carvão”.

O deputado estadual Temóteo Correa filho ilustre de Maribondo, estimulado pelo amor telúrico, expressa seu dom poético através  do poema Maribondo. “ Lá está minha cidade/ `As margens da rodovia/ Com sua pouca idade/ Exibindo todo o charme/ De filha de Anadia./ Lembro-me daquele tempo/ A rodovia como mãe generosa/ A aleitar seu rebento/ Que surgira tão formosa/ Deu-lhe forma e aumento./ Ela crescia dia a dia/ Com pujança e rebeldia/ E quando de maior idade/ Transformou-se em cidade/ Desmembrando-se de Anadia. 

A propósito, o parlamentar prefaciou o livro em Epígrafe. “ Este trabalho literário representa  também um marco, deveras importante , na cultua e na literatura da nossa terra, pelos vários aspectos que ele encerra , resgatando os fatos  que marcaram e fazem a nossa história, através de um trabalho objetivo, criterioso e metódico”. De fato, nele vê-se a origem de Maribondo, Aspectos físicos de Maribondo, Limites, Clima. Solo, Vegetação, Relevo, Hidrografia, Mapa de Maribondo, Divisão Territorial, Avenida  Senador Arnon de Mello, prédio da Asembleia de Deus, prédio da Prefeitura, prédio ADEFIMAR, Praça de Eventos, Zona Rural, Capela de Mata Grande, Escola Eurides Costa, e outras templos de relevo. Merece,pois, encômios a Professora Sebastiana Fernandes de Amorim pelo magnânimo livro colocado à disposição de seus conterrâneos e visitantes de Maribondo.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *