;

NOTÍCIAS

In:

João Galego, o fabricante de cofres de Palmeira dos Índios é homenageado com nome em praça

Por Redação com Edberto Ticianelli

João Araújo Wanderley, mais conhecido como João Galego

De autoria do vereador Geraldinho Ribeiro (PTB) foi aprovada e sancionada a Lei n.º 2.393/2021 que denomina de João Araújo Wanderley a praça localizada na Rua José Sampaio no bairro Juca Sampaio em Palmeira dos Índios.

João Araújo Wanderley conhecido como João Galego foi um dos pioneiros no bairro construindo a sede da Metalúrgica Helio, de sua propriedade – que fabricava cofres e móveis de aço, considerada a primeira indústria local da região.

A empresa já existia em outro local na cidade (na Praça da Independência) e desde a década de 40 e fabricava seus produtos por encomenda para todo o país.

 

História

Uma fábrica de cofres em Palmeira dos Índios, Alagoas, era algo tão inédito em 1954 que a revista O Cruzeiro enviou o repórter Ítalo Viola e o repórter fotográfico Rubens Américo para investigar a informação.

Após passarem um dia no agreste alagoano, os repórteres produziram uma pequena matéria que foi publicada no dia 25 de setembro de 1954, nº 50 da então revista de maior circulação no país. O título era Artesanato em Palmeira dos Índios.

Um dos seus cofres

A revista informava que João Araújo Wanderley e mais três operários produziam objetos de ferro em uma pequena oficina naquela cidade alagoana.

“Fundição, estamparia, peças niqueladas, tudo, enfim, é ali realizado desafiando tecnicamente os grandes centros mundiais de produção em série”, destacou o repórter, avaliando que existiam centenas de oficinas improvisadas como estas no país fazendo verdadeiros prodígios.

A reportagem dizia ainda que o pequeno empresário havia solicitado ao presidente Getúlio Vargas que o ajudasse a ampliar os negócios autorizando um empréstimo de 650 mil ao Banco do Brasil.

Depois de muita burocracia, um avaliador esteve em Palmeira dos Índios e constatou que as máquinas da empresa, algumas fabricadas pelo próprio João Wanderley, valiam 850 mil cruzeiros, o que garantiria o empréstimo. O Banco do Brasil enviou então o pedido ao Banco do Nordeste para efetivar o empréstimo.

O saudoso radialista maceioense Luiz de Barros revelou ainda que um dos cofres fabricados pelo seu sogro foi dado de presente a Getúlio Vargas e que hoje ele está no Museu do Catete, no Rio de Janeiro. É esse cofre que aparece em uma das cenas do filme “Getúlio”, que teve a direção de João Jardim.

João Araújo Wanderley era primo de outro alagoano empreendedor e mais conhecido, Tércio Wanderley e tinha origem holandesa.

Neto de João Galego, o jornalista e advogado Vladimir Barros informa que seu avô casou três vezes e teve 23 filhos, entre eles sua mãe, dona Zenilda Wanderley, esposa do promotor e escritor Ivan Barros.

Após a morte do fabricante de cofres de Palmeira dos Índios, alguns dos seus filhos mantiveram a Metalúrgica Helio e ainda hoje a empresa existe fabricando seus produtos por encomenda.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *