ESPORTE E LIDERANÇA

Zico faz palestra em Maceió e lança biografia do ídolo Dida

Publicado em 10/07/2024 às 15:40
Zico Reprodução

O ex-jogador, desportista e empresário Arthur Antunes Coimbra, o craque Zico, estará em Maceió, na próxima terça-feira (16), em palestra promovida pela JAG Tecnologia e Eventos. A conferência terá a temática O Papel do Líder: Desafios e Oportunidades, no Espaço Multicultural do Parque Shopping, piso L3, a partir das 20h. Os ingressos da palestra podem ser adquiridos no site www.lojadeingressos.com.br, mais informações: (82).98880.7151.

Antes da conferência, Zico participa do lançamento nacional do e-book biográfico de seu ídolo: Dida – A incrível história do alagoano, artilheiro do Maracanã na era do ouro do futebol arte e campeão do Mundo em 1958, e quase barrou Pelé, do jornalista e escritor alagoano, Mário Lima. O livro tem o prefácio de Zico, e apresentação do jornalista Márcio Canuto.

O e-book foi editado pela editora carioca @livrosdefutebol, e poderá ser adquirido por quem participar da palestra no Espaço Cultural, do Parque Shopping. No ambiente da palestra, a @livrosdefutebol, com apoio da empresa Multieventos  vai apresentar uma degustação do e-book em um painel de lead, bem como exibir a capa e informações sobre como adquirir o e-book, através da loja da www.editoralivrosdefutebol.com.br

TRECHO DO LIVRO

Um preâmbulo glorioso

Em 16 de março de 1934 nascia em Maceió Edvaldo Alves de Santa Rosa, o Dida, primeiro dono da gloriosa camisa 10 do futebol brasileiro, no século XX, por um grande time e uma grande seleção nacional, antes mesmo que Pelé e Zico. Na Copa do Mundo de 1958, a primeira das cinco conquistadas pelo Brasil, antes que o rei entrasse em campo com a camisa 10, dando início à mística, Dida já havia jogado com esse número nas costas. Foi no jogo de estreia contra a Áustria, quando o Brasil venceu por 3 a 0.  Mas Dida voltou a sentir uma antiga contusão no joelho, abrindo o caminho para Vavá e, em seguida, para Pelé. E o Brasil foi campeão.

No Flamengo, Dida teve a glória de ser o artilheiro supremo do rubro-negro - com 262 gols, a maioria no Maracanã – durante os anos 1950 e 1960, quando foi tricampeão (1953, 1954, 1955), com um time recheado de craques: Evaristo, Joel, Moacyr, Zagallo, Tomires, Jordan. Dida seria a grande atração do Flamengo antes do surgimento de Zico, ainda mais com o desafio de substituir Leônidas da Silva e Zizinho, ídolos máximos na Gávea entre as décadas de 1930 e 1940.

Aquele menino magrinho começou a jogar bola aos 15 anos, no Monte Castelo, formado por garotos da várzea, e depois no infanto-juvenil do América, treinado pelo Pai Manu, um conhecido treinador e descobridor de pequenos talentos, que além de técnico foi roupeiro, enfermeiro e até mesmo sapateiro, ao consertar as chuteiras de couro e as travas do solado.

No CSA, como juvenil e profissional, o ainda garoto Dida, entre seus 16 e 17 anos, conquistou três títulos, sendo dois estaduais, em 1949 e 1952. Já no primeiro ano no azul e branco do bairro do Mutange, além de ajudar o CSA a conquistar o campeonato local, ainda exibiu seu talento como goleador nato, terminou a competição como artilheiro, com nove gols.

Sua meteórica carreira começou no Flamengo, em 1953. O atacante jogava no Azulão, já era bicampeão alagoano, e foi convocado para a seleção do estado (era um tempo em que havia o Campeonato Brasileiro de Seleções, hoje extinto, quando Alagoas enfrentou a Paraíba. Olheiros cariocas viram o craque em ação. Depois, veio o convite. Dida foi jogar na Gávea com 20 anos e fez história com a camisa rubro-negra. Tanto que se transformou no maior ídolo do Galinho de “Quintino”, e um dos maiores artilheiros da história do Clube de Regatas Flamengo.

 

SOBRE O AUTOR

Mário Lima, 67 anos, é jornalista e escritor, pós-graduado Lato Sensu EAD em Jornalismo Esportivo pelo Instituto Pitágoras (MG). Foi repórter, redator, editor sênior, chefe de redação e reportagem, correspondente, repórter especial, consultor, organizador de eventos, assessoria de imprensa e marketing eleitoral. Diretor editorial e repórter especial da Imprensa Oficial Graciliano Ramos, secretário-adjunto de Comunicação do Governo de Alagoas (2008-2013), correspondente da Agência Reuters. É jornalista muitas vezes premiado: Prêmio Colunistas (2003), Prêmio Embrapa Nacional de Reportagem (categoria Mídia Impressa), Prêmio Banco do Brasil de Jornalismo (2001, 2003 e 2006). Recebeu a Comenda Edécio Lopes, da Câmara Municipal de Maceió, pelos serviços prestados no âmbito cultural, jornalístico e artístico. Dentre os muitos livros que escreveu, está Mané Garrincha: a flecha Fulni-ô das Alagoas — mestiçagem, futebol-arte, crônicas pioneiras (Imprensa Oficial de Alagoas, 2014) e Dom Lauthenay, o Quixote do esporte nacional.

 

SERVIÇO

DIDA: A INCRÍVEL HISTÓRIA DO ALAGOANO, ARTILHEIRO DO MARACANÃ NA ERA FUTEBOL ARTE, QUE FOI CAMPEÃO DO MUNDO EM 1958 E QUASE BAR-ROU PELÉ

Autor: Mário Lima

Prefácio: Zico (Arthur Antunes Coimbra)

Apresentação: Márcio Canuto

Formato: EPub

ISBN 978-65-87072-07-4

À venda na loja www.editoralivrosdefutebol.com.br

Preço: R$ 30

 

INGRESSOS

Inteira R$: 300,00

Social R$ 180,00 (mais um Kg de alimento não-perecível)

Meia-entrada R$ 150,00 (idosos, estudantes e professores)

Nação R$ 450,00 (com direito a camisa, autógrafo e foto com o Zico)

Galeria de fotos